IGTV,  Life Style,  Vídeos

Doces e gordices da infância

Gordices que marcaram época e deixam saudade da infância, porque muitos deles não se encontra por aí tão facilmente

Se você assim como eu, acaba sendo uma formiguinha se o assunto é doce. Lembra da casa da vó, que antigamente tinha muitas gordices e pegava cárie só de olhar?! Então até hoje, busca pelo mercados e confeitarias essas coisas complicadas de encontrar que te lembram da infância?! Esse é assunto do “Fala Mih!” de hoje no IGTV, vamos sacudir as lombrigas e comentar um pouco sobre o assunto. Assista o vídeo e me conte se já comeu ou sente saudade dessas delícias.

Tinha um pouco de tudo, misturado com muito açúcar. Claramente, dá água na boca só de lembrar né! Maria-Mole com muitos outros primos, derivados de leite, banana, batata doce, abobora, coco e amendoim. Marshmallow e geléias que era vendidos em bandejas de isopor ou embalados em caixas de papelão. Acredite até caixinha de salgadinho para fritar na panela a gente encontrava, mas hoje nos fazem só chupar o dedo.

Quem lembra?

Definitivamente essas 3 Marias, foram as melhores gordices dos anos 80 e 90. Elas eram parecidas, a Maria Mole bem simples, comprida e coberta de chocolate ou coco. A segunda era a Maria Fumaça uma imitação de sorvete coberta de açúcar. Dentro de uma casquinha e de brinde ganhávamos uma bexiga colada. Já a minha predileta era a terceira, a Maria Bonita. Ficava no meio de duas bolachas amanteigadas enormes cheias de açúcar ou coco.

Da mesma forma, o Paçocão, Gibi e Bananinha eram parte da mesma turma, aqueles derivados do amendoim e banana que faziam muitas crianças e adultos se lambuzarem. Gordices ainda acessíveis na feira ou mercado, lembrando que a bananinha era encontrada tanto cremosa na casquinha ou como barrinha açucarada. Mas tínhamos também doces artesanais de batata doce e abobora. Doce de leite de corte ou vários tipos de Cocadas.

Nessa galera também era comum ver muito marshmallow, porém não como vemos hoje em dia, juntamente dos derivados do amendoim tinha o Torrone. E outros doces cheios de chocolate, como a Teta de Nega e o primo Merengue, que atualmente chamam de Nhá Benta. Geléias e gelatinas do mesmo modo eram facilmente consumidos com mocotó em barras ou potinho e coloridas com ou sem açúcar e até em goma. Chocolate também era presente nos cigarrinhos e guarda-chuvas, junto com os suspiros quadrados de 3 cores morango, abacaxi ou baunilha. Enfim, eram muitas variedades que fazem a gente ficar mais nostálgico e com fome.

Portanto o mais curioso deles que já procurei em todos os lugares e foi o único que não vi mais era um salgado. Uma caixinha azul, cheia de bolinhas brancas. As féculas de mandioca que ao serem fritas na panela, cresciam de tamanho. Sabe onde encontrar o Mandiopã? Era uma das minhas gordices preferidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *